quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Resenha - As vantagens de ser invisível - stephen Chbosky





Imformações do livro:

Editora: Rocco.
Páginas: 223.
Autor: Stephen Chbosky.
Titulo original: The Perks of being a wallflower.
ISBN: 978-85-325-2233-7. 


                                              

''Ao mesmo tempo engraçado e atordoante, o livro reúne as cartas de Charlie, um adolescente de quem pouco se sabe - a não ser pelo que ele conta ao amigo nessas correspondências -, que vive entre a apatia e o entusiasmo, tateando territórios inexplorados, encurralado entre o desejo de viver a própria vida e ao mesmo tempo fugir dela.

As dificuldades do ambiente escolar, muitas vezes ameaçador, as descobertas dos primeiros encontros amorosos, os dramas familiares, as festas alucinantes e a eterna vontade de se sentir "infinito" ao lado dos amigos são temas que enchem de alegria e angústia a cabeça do protagonista em fase de amadurecimento. Stephen Chbosky capta com emoção esse vaivém dos sentidos e dos sentimentos e constrói uma narrativa vigorosa costurada pelas cartas de Charlie endereçadas a um amigo que não se sabe se real ou imaginário.
Íntimas, hilariantes, às vezes devastadoras, as cartas mostram um jovem em confronto com a sua própria história presente e futura, ora como um personagem invisível à espreita por trás das cortinas, ora como o protagonista que tem que assumir seu papel no palco da vida. Um jovem que não se sabe quem é ou onde mora. Mas que poderia ser qualquer um, em qualquer lugar do mundo."

Um livro maravilhoso. Em todos os sentidos. Eu depois de reler 5 vezes esse livro, vou fazer a resenha dele. Eu vou tentar ser neutro, mas vai ser dificil. Esse é o meu livro favorito. A história é tão... Vamos começar a resenha.




A história: 

Charlie um adoleçente prestes a começar o 1 ano do ensino médio começa a mandar cartas para um estranho, que somos nós. Charlie sempre foi um adoleçente meio sozinho, meio... Invisível para os outros, principalmente depois de seu melhor amigo ter se matado. Logo ao chegar no seu primeiro dia de aula, a unica pessoa com quem conversa é o seu professor de inglês Bill. Porém acaba conhecendo "nada", apelido de Patrick, um veterando muito engraçado que esta na mesma turma de trabalhos manuais de Charlie. Outro dia depois acaba vendo Patrick em um jogo de futebol e acaba conversando com ele e se senta ao lado dele. Então conhece Sam, meia-irmã de Patrick, que Charlie diz ser de uma beleza convencional e uma pessoa muito engraçada. Então eles viram amigos e Sam e Patrick acaba levando Charlie para o mundo de festas, drogas, sexo, tudo que a vida pode lhe ofereçer e sendo infinito.



A escrita: 

Depois deste livro tirei a conclusão que todos os livros deveriam ser escritos por meio de cartas. O jeito como o autor consegue fazer você se prender na história! O Charlie é tão sentimental que as cartas dele acabam dando muito mais vida e sentimento do que um livro normal. O autor é como um John Green da vida, só que muito polemico.




A capa: 

A capa original é feia, e a do filme não é tão horrivel. Eu realmente prefiro a do filme. Podia não aparecer a cara dos personagens, mas eu amei duas coisas: A fonte do titulo e do autor, e o fundo.
Eu gostei tanto daqueles "tigolos" verdes que quando tiver dinheiro vou mandar alguém pintar a parede do meu quarto exatamente como o fundo.


Os personagens:

Vou te falar que o autor é tão bom que conseguiu fazer personagens tão completos e com tantas caracteristicas que é realmente impossivel você não se identificar com pelo menos um personagem.  Eu me identifiquei com o Charlie, porque eu sou realmente em parte invisível, e também me identifiquei com Patrick pois o ele é muito incrivel, brincadeira, porque ele consegue sempre fazer uma piada em qualquer sintuação, mesmo em um hospital. A Sam é uma pessoa muito legal mesmo, divertida, porém um pouco tola. 



Filme:
Nunca vi um filme tão bom, com autores exelentes, dirigido pelo propio autor!!! Ainda mais com o Logan e a Emma.




Critica:

Esse livro é simplesmente maravilhoso, como diria Charlie. Eu amo esse livro, leiam, todos vocês tem que se sentirem infinitos!!!



Love Always, Natan.